quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Posted by jinson on quarta-feira, agosto 17, 2011 7 comments
É, agora acabou. Perdi o juízo de vez. Resolvi tomar coragem e, aos 25 anos, arrancar de vez quatro doloridos dentes do siso.

Cada um tem sua relação com o dente do siso (investiguei antes de decidir arrancá-los). Algumas pessoas sofreram muito e outras não sentiram absolutamente nada, mas a minha história pessoal com eles foi horrível.
Começando pelo fato de que quando vejo sangue passo mal, pedi para minha mãe ir comigo. Aao entrar no consultório fui logo avisando “vou ficar de olhos fechados porque eu passo mal, ta?”. Sim, porque a cena é realmente de filme de terror. Imagine só ficar de olhos abertos sem saber para onde olhar e com uma luz fortíssima na sua cara enquanto duas pessoas usando máscaras e luvas enfiam dedos e mais dedos na sua boca, injeções enormes, alicates e tesouras de todos os tipos, sem contar os inúmeros algodões encharcados de sangue retirados lá de dentro o tempo todo. Gente, não é exagero, juro.
Enfim, durante toda o tempo a fofa da cirurgiã dentista perguntava se estava tudo bem. “Tudo bem aí Bruna?”, “está com dor?”, “está sentindo alguma coisa?”, “tudo certo aí?”, e eu só conseguia pensar em como eu poderia responder sem falar e nem mexer a cabeça.

Se eu pudesse falar usaria minha fúria ariana para dizer “Em primeiro lugar quem tem que me responder se está tudo certo é você que está tirando litros de sangue da minha boca. Em segundo lugar, me diz como eu posso estar bem com duas mãos enfiadas dentro da minha boca fazendo tanta força para arrancar um dente que parece que vai despedaçar meu crânio todo?”. Ei gente, calma, não tô brava com ela não, juro, rs. Mas tava vendo a hora em que ela ia subir em cima de mim como desenho animado e pedir ajuda para a assistente e minha mãe puxarem meu dente, sabe tipo aquela brincadeira ‘cabo de guerra’?

Bom, logo ela chegou ao dente e começou a falar “nossa, que dentão!”, e “uau! É enorme!”, e três vezes seguidas "nossa! Nunca vi um dente deste tamanho!”. Então comecei a me preocupar. Por quê? Não é normal ser grande? E isso é bom ou ruim?

Olhei para minha mãe e disse “nasceu, mãe, parabéns vovó!”, com a boca mole anestesiada. Então a dentista os colocou em um saquinho plástico e me perguntou toda orgulhosa “quer levar pra casa?”. -_-'
Me dê um (eu disse UM) bom motivo para alguém levar os dentes para casa? Os dentes gigantes. Os dentes que me fizeram sofrer tanto. Tive vontade de dizer “manhê, tira isso da minha frente, sei lá, dá pra adoção, acho que estou com depressão pós-parto”.

7 comentários :

Ká disse...

ahhahahaha... morri! Já tirei os 4, sua chorona!! hahahaha.... Ah! E os levei pra casa.. hahahahah

Krisley, a noiva disse...

Tirei os dois e não senti nada!
Obrigada pelo coment no meu blog, ainda estou pesquisando sobre dia da noiva mas espero decidir logo!
Beijos

Ingrid Bon Bilmayer disse...

Já tirei meus 4,não tenho juízo mais, desde meus 14 anos, fiquei igual o fofão.
Meu único problema foi que depois de 12 anestesias eu ainda sentia tudo, não levei pra casa pedi pro dentista jogar fora, mas ele guardo na coleção dele de estudos...

Bru Dias disse...

Atóóóóron quando vcs visitam o blog e deixam seus comentários lá! ;) AMOOOOO!

Ká disse...

Hehe.. morri de rir.. :)

Carmem Lúcia Cavallaro Rodrigues disse...

Vc devia ter ido com seu pai...ele ia desmaiar.... Quem iria socorrer quem? kkkkk

Bru Dias disse...

É verdade Carmen, puxei meu pai, não posso ver sangue que desmaio! hauhahua Se bem que ele é exagerado né, foge até de injeção!